Pesquisar neste blog

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O mágico de oz: frases de um livro





Hoje, terminei de ler um livro encantador um conto de fadas que trata de uma menininha que chega a terra de Oz e busca o caminho para casa o interessante é que ela passa por várias dificuldades encantadoras até encontrar o caminho, mas ela não encontra sozinha, pois na caminhada conhece amigos que desejam ter um cérebro (espantalho), um coração (homem de lata) e coragem (leão). Cada qual tem uma busca, mas juntos cada um encontra o que procura e que na verdade já estava dentro de si.

Abaixo algumas frases desse livro tão especial.


(p. 41)


Ao contrário do que dizem o coração precisa de razão, como disse o espantalho é necessário ter um cérebro para saber o que se fazer com o coração, pois o coração é enganoso.

"Dorothy começou a soluçar diante destas notícias, porque se sentia muito sozinha no meio de toda essa gente estranha." (p. 18)

  É muito comum estarmos rodeados de pessoas e mesmo assim nos sentirmos sozinhos pelo fato das pessoas serem "estranhas" para nós.


"-Eu não posso entender por que você deseja sair deste lindo país e voltar para o lugar seco e cinzento que você chama de Kansas.
-Isso é porque você não tem cérebro - respondeu a menina - Não importo o quanto nossos lares sejam monótonos e cinzentos, nós, as pessoas de carne e osso, preferimos morar lá do que em qualquer outro país, por mais bonito que seja. Não existe nenhum lugar como o nosso lar." (p. 29)

Como diz Green, o "lar é onde está nosso coração" apesar dos pesares ele ainda é o melhor lugar de se estar.


-"Se você sofre do coração - continuou o Lenhador de Lata - deve se dar por feliz, porque isto prova que tem um coração. Quanto a mim, não tenho coração, portanto não posso sofrer dele." (p. 45)

O lado bom de sofrer do coração é que se tem um, quantos não descobrem que tem um coração somente depois que sofrem dele?

"-Eu estou com um medo enorme de cair - disse o Leão Covarde -, mas suponho que a única coisa a fazer é experimentar. Assim, suba nas minhas costas e vamos tentar." (p. 50)

Ter coragem não é ter medo, mas é enfrentá-lo e fazer o que tem que ser feito no meio do medo, é andar mesmo quando o medo tenta paralisar.



Referência

BAUM, Lyman Frank. O mágico de Oz. Trad. Lagos, William. Porto Alegre: L&M, 2001.




Nenhum comentário:

Postar um comentário