Pesquisar neste blog

Mostrando postagens com marcador livro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador livro. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O mágico de oz: frases de um livro





Hoje, terminei de ler um livro encantador um conto de fadas que trata de uma menininha que chega a terra de Oz e busca o caminho para casa o interessante é que ela passa por várias dificuldades encantadoras até encontrar o caminho, mas ela não encontra sozinha, pois na caminhada conhece amigos que desejam ter um cérebro (espantalho), um coração (homem de lata) e coragem (leão). Cada qual tem uma busca, mas juntos cada um encontra o que procura e que na verdade já estava dentro de si.

Abaixo algumas frases desse livro tão especial.


(p. 41)


Ao contrário do que dizem o coração precisa de razão, como disse o espantalho é necessário ter um cérebro para saber o que se fazer com o coração, pois o coração é enganoso.

"Dorothy começou a soluçar diante destas notícias, porque se sentia muito sozinha no meio de toda essa gente estranha." (p. 18)

  É muito comum estarmos rodeados de pessoas e mesmo assim nos sentirmos sozinhos pelo fato das pessoas serem "estranhas" para nós.


"-Eu não posso entender por que você deseja sair deste lindo país e voltar para o lugar seco e cinzento que você chama de Kansas.
-Isso é porque você não tem cérebro - respondeu a menina - Não importo o quanto nossos lares sejam monótonos e cinzentos, nós, as pessoas de carne e osso, preferimos morar lá do que em qualquer outro país, por mais bonito que seja. Não existe nenhum lugar como o nosso lar." (p. 29)

Como diz Green, o "lar é onde está nosso coração" apesar dos pesares ele ainda é o melhor lugar de se estar.


-"Se você sofre do coração - continuou o Lenhador de Lata - deve se dar por feliz, porque isto prova que tem um coração. Quanto a mim, não tenho coração, portanto não posso sofrer dele." (p. 45)

O lado bom de sofrer do coração é que se tem um, quantos não descobrem que tem um coração somente depois que sofrem dele?

"-Eu estou com um medo enorme de cair - disse o Leão Covarde -, mas suponho que a única coisa a fazer é experimentar. Assim, suba nas minhas costas e vamos tentar." (p. 50)

Ter coragem não é ter medo, mas é enfrentá-lo e fazer o que tem que ser feito no meio do medo, é andar mesmo quando o medo tenta paralisar.



Referência

BAUM, Lyman Frank. O mágico de Oz. Trad. Lagos, William. Porto Alegre: L&M, 2001.




sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

O que fazer com os impulsos sexuais?: capítulo 7 do eu amo você


Olá princesas, hoje, continuo a relatar sobre o livro Eu amo você, no sétimo capítulo desse livro o autor inicia com um versículo Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel, e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, justamente com a tentação, vos provera livramento, de sorte que a possais suportar," (I Coríntios 10.13). 
Ele continua relatando que "O impulso sexual é um
instinto, uma resposta automática às circunstâncias ou situações estimulantes.... Se nós deixamos estes instintos poderosos dominarem a nossa vida, nos tornamos escravos deles. E, uma vez que os nossos impulsos sexuais ganharam o controle dos nossos sentimentos e conduta, dificilmente irão nos abandonar.".
O autor relata que o impulso sexual não é bom e nem mal, mas dependerá de como lidaremos com esse impulso, em seguida, o autor dá algumas sugestões práticas para controlarmos os  impulsos sexuais:


"1) Tenha certeza que Jesus Cristo é o seu Salvador e Senhor pessoal.

  
2) Reconheça o conflito que há em você.  (A carne milita contra o Espírito, e o Espírito contra a carne)


3) Você deve reconhecer que a batalha começa com o controle da mente.


4) Cuidado com as suas amizades.


5 ) Não se coloque em situações onde você poderá desenvolver pensamentos, atitudes e ações que não agradem ao Senhor.


6) Confesse os seus pecados.

7) Evite racionalização ou justificativas

8) Lembre-se das providências divinas (Deus providenciou um meio físico de alívio deste impulso através de emissões seminais noturnas.... [além disso] Uma segunda área relacionada às providências divinas se aplica a moças e rapazes e é chamada de "sublimação" ou processo de despender e queimar energia sexual através de exercícios físicos e mentais, atividades e projetos diversos. Sublimação é a defesa mental que deve ser usada para transformar um tipo de procedimento inaceitável em um comportamento aceitável. Desde que o instinto sexual é essencialmente físico, embora existam implicações emocionais, também, uma das melhores maneiras de reduzir a pressão é transformá-lo numa atividade física. Pode ser um passeio, jogar futebol ou vôlei, ou um projeto que envolva criatividade. Desta maneira, você estará soltando a válvula da panela de pressão).


9) Medite na Palavra de Deus.


10) Lembre-se da promessa de Deus: "E eis que estou convosco".

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Sexo do ponto de vista de Deus: capítulo 6 do Eu amo você




Olá princesas, hoje, continuo a relatar sobre o livro Eu amo você, no sexto capítulo desse livro intitula-se "Sexo do ponto de vista de Deus" o autor inicia dizendo que somente 15% dos jovens aprenderam sobre sexo na igreja e nos lares, o que demonstra a necessidade de se falar de sexo nesses espaços.
Os meios de comunicação tratam muito desse tema, o que pode confundir os jovens. O autor relata que em gênesis 24 há  "Por isso deixa o homem pai e mãe, e se une à sua mulher, tomando-se os dois uma só carne. "
Assim "A primeira palavra é "deixa". O homem deixa, emocionalmente, de ser filho e se torna marido. Semelhantemente a mulher deixa, emocionalmente, de ser
filha e assume o papel de esposa. Quando não há este 'abandono' emocional, há problemas no casamento, especialmente relacionados com os sogros. A segunda palavra é "une". No hebraico significa "cimentar". Sabe, jovem, o plano original de Deus é que duas pessoas casadas expressem o seu amor mútuo e desfrutem dele através do ato sexual."

O casamento é plano de Deus e no plano original de Deus não há divórcio, entretanto na bíblia há a passagem em que Jesus é interrogado sobre o divórcio e diz que Moisés escreve sobre o divórcio por causa da dureza do coração do povo.

Após isso, o autor faz  cinco observações sobre o sexo no casamento:

1º  sexo é restrito ao relacionamento do casamento;

2º  sexo  gera filhos 

"... é importante frisar, no mundo tão egoísta em que vivemos, que os filhos são uma bênção para qualquer família. No relacionamento entre marido e mulher, o ato conjugal foi designado por Deus para providenciar um meio de expressar a profunda unidade entre o casal." 

3º sexo é comunicativo

"Há uma comunhão de espírito quando há a união dos corpos. Isto pode explicar porque em Gênesis 4.1 o Espírito Santo achou por bem usar a palavra "conheceu". O termo "conheceu" é a melhor maneira de expressar o ato conjugal. É a intimidade proveniente da experiência de tornar-se "uma só carne". No plano de Deus, o sexo foi designado para providenciar uma revelação total do amado. Quando o casal dá de suas energias, seus sentimentos e afeições, num relacionamento físico, marido e mulher experimentam uma comunicação íntima. Esse é o meio de
"conhecer" um ao outro. Cada vez que um casal, comprometido através do amor conjugal, tem uma relação física, está celebrando a experiência de "uma só carne." As implicações práticas dessa experiência são muitas, porque o ato conjugal não é somente um ato físico mas também emocional e espiritual. Tenho conversado com casais que me dizem: "Jaime, quando nós temos este relacionamento, nós nos sentimos mais perto do Senhor do que em qualquer outra hora do casamento." A idéia que prevalece nos meios evangélicos é que o sexo é carnal e não pode ser considerado um exercício espiritual.Mas as Escrituras nunca estabelecem tais categorias na vida cristã. Agora, há o perigo de pensarmos que o casal somente precisa se comunicar nesta área da vida."

4º sexo proporciona prazer conjugal

"Uma moça que estava tendo algumas dificuldades no seu relacionamento com o noivo, contou-me a seguinte história: "Jaime, a minha mãe me ensinou, quando eu era garota, que o sexo é sujo e. deve ser usado apenas para gerar filhos e que, para a mulher casada, é "uma cruz" que ela precisa carregar durante os anos do casamento. Filha, agüente firme, "leve sua cruz, e Deus lhe dará forças". Não é de admirar que esta moça estivesse encrencada com o noivo. Ele cria que o sexo não é sujo e que uma de suas funções também é proporcionar prazer e bem-estar tanto do
marido quanto da esposa. Ela então perguntou: "Jaime, a Bíblia tem alguma coisa a dizer sobre isso? Existe a possibilidade dentro do plano de Deus de desfrutar do sexo sem o intuito de procriação?". Eu falei: "Sim, a Bíblia é abundantemente clara ao dizer que Deus designou o sexo para ser também um meio de prazer". Os escritores da Bíblia, às vezes usando uma linguagem poética, descrevem os órgãos genitais, os impulsos, energias e desejos sexuais. Uma ilustração deste fato encontramos em Provérbios 5, onde o grande sábio Salomão exorta seu filho sobre os perigos da mulher adúltera e exalta as delícias da expressão sexual com a esposa."


"O livro de Cantares de Salomão é uma expressão do amor físico de duas pessoas que se amam muito. Sim, a nossa sexualidade também foi criada para o prazer e alegria do casal. É importante que o casal desenvolva uma mentalidade saudável sobre este setor tão importante da vida. "


5º "sexo é uma experiência de dar."

" O amor "eros" é o amor sexual no casamento. Isso é Importante, mas esse tipo de amor precisa ser permeado pelo amor "ágape", que é o amor de Deus. O amor de Deus se manifesta em dar: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu..."


O autor destaca que: "A mulher não tem os mesmos impulsos sexuais que o homem. Isso não quer dizer que ela não é sexual. Ela é tão sexual quanto o homem. Embora não tenha os mesmos impulsos do homem por causa da sua dinâmica biológica, ela também tem necessidades físicas e emocionais."

Ele relata que muitas esposas sentem que o sexo é como se fosse sua cruz no casamento, pois sentem-se como se os maridos a usassem e jogassem fora "Ás vezes, por questão de ignorância por parte do marido, que não compreende que o período de despertamento da mulher para conseguir o orgasmo é bem mais longo do que o do homem. Outras vezes não é questão de ignorância, mas falta de paciência e sensibilidade do marido para com a esposa. O período de esfriamento da esposa é mais vagorosa, e, portanto, o homem não deve fastar-se dela logo, porque, procedendo assim, ela pode sentir-se como "uma coisa" para o prazer dele. Para a mulher o ato conjugal é muito mais emocional do que para o homem. Ela se envolve muito mais
emocionalmente do que o marido. Portanto, é importante manter um ambiente de amor, bondade, carinho e compreensão dentro do lar, não somente na hora do relacionamento físico, mas em todos os níveis de relacionamento."

O autor cita um versículo importante: I Coríntios 7.1-5: "Quanto ao que me escrevestes, é bom que o homem não toque mulher, mas, por causa da impureza, cada um tenha a sua própria esposa e cada uma seu próprio marido. O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também semelhantemente a esposa ao seu marido. A. mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim, o marido, e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim, a mulher. Não vos priveis um ao outro salvo, talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e novamente vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência. "

Por fim ele relata "Um dos desafios para os pais cristãos e para a liderança da igreja é desenvolver atitudes bíblicas sobre a sexualidade humana e abrir o jogo com seus filho para que eles tenham uma vida feliz e saudável e possam, assim, construir famílias totalmente cristãs."


domingo, 2 de novembro de 2014

Sexo...pais: capítulo 4 e 5 do Eu amo você

Postei o texto abaixo no blog Princesas de Jesus


Olá princesas, hoje, venho continuar a postagem sobre o livro Eu amo você , relatarei o capítulo 4 e 5, no no capítulo 4, intitulado “Sexo... Por que esperar até o casamento!”o autor afirma que o namoro é o maior problema do jovem evangélico, pelo fato do relacionamento físico poder ferir a vontade do Senhor, ele alerta que a palavra defraudação “[...] significa tirar vantagem sobre seu irmão. Há várias maneiras  de defraudar mas Paulo está especificamente se referindo a  uma defraudação sexual. Defraudar significa excitar ou despertar desejos sexuais na vida duma outra pessoa, desejos que não podem ser satisfeitos dentro da vontade de Deus, que  é o casamento.”

Ele também destaca:

“namorado(a) ou noivo(a) não é sua propriedade. Ele pertence ao Senhor. Portanto, promiscuidade antes do  casamento representa roubar do outro a sua virgindade que deve ser levada para o casamento.”

Assim, o autor não estabelece limites, mas diz que o limite do toque físico no namoro está quando o jovem incita desejos sexuais, isso pode ser pegar na mão para uns, beijar para outros, olhar e etc.

“Quando a intimidade física se desenvolve  antes da intimidade espiritual, urna nuvem de culpa aparece entre o casal e entre eles e o Senhor. Muitos casais que eu aconselho têm problemas gravíssimos no seu casamento  porque não cuidaram do seu relacionamento físico, e agora há  desconfiança, infidelidade, frustrações, brigas e sentimentos de culpa.”



No capítulo 5 intitulado “O que os pais tem a ver com  meu  namoro?”, o autor defende que é necessário buscarmos  a harmonia nos nossos lares, pois “Deus usa nossa própria família, nosso pai e mãe, os nossos irmãos e a nossa situação em casa, para nos moldar e para desenvolver em nós qualidades espirituais, preparando nos para o nosso próprio casamento.”

o autor dá duas dicas para moços e moças: “Agora, aqui vai uma dica para as moças. Observem bem a maneira como o seu namorado, ou noivo, trata a própria mãe. Ele é respondão, não demonstra respeito e a desobedece? Quando vocês estão juntos, ele fala mal dela? Muito bem, aqui está uma dica importante para você: não se case com um homem assim! Espere até que ele aprenda a viver em harmonia com seus pais, tratando a sua mãe com honra e  respeito, porque um dia ele, certamente, irá tratá-la da mesma maneira. Mas agora eu vou falar para os rapazes. Observem bem a maneira como a sua namorada ou noiva trata o pai dela. Ela é respondona? Ela fala mal do pai quando vocês estão juntos? Ela não liga para as ordens dele? Muito bem, se ela demonstra atitudes assim negativas, um dia ela vai agir com você da mesma maneira que age com o pai. Enquanto ela está na casa dos pais, o pai é a autoridade na vida dela, mas, uma vez casados, você se torna a autoridade sobre ele. 


Por fim, destaco um ponto crucial do capítulo "A melhor coisa que uma mãe pode dar como herança às suas filhas é ser submissa ao pai delas, e a melhor herança que um pai pode dar aos seus filhos é amar a mãe deles”




segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Namoro, noivado, casamento e ...: visão cristã









Postei o texto abaixo no blog Menina, Mulher, Cristã







Olá princesas, há algum tempo que estou buscando aprofundar na leitura de um livro sobre relacionamentos, mas devido as várias atividades adiei essa leitura, porém hoje, venho anunciar que nas próximas semanas estarei lendo e postando sobre capítulos do livro Eu amo você. O livro foi escrito por Jaime Kamp e está disponível neste link dessa vez não postarei a resenha do livro, mas sim resenhas dos capítulos do livro.Antes de falamos do livro, vamos falar do autor:


"Jaime Kemp é norte americano. Proveniente da Califórnia, formou-se no Western Seminary - Portland, Oregon, e na Universidade Biola – Califórnia, onde também recebeu o doutorado em “Ministério da Família”.Em setembro de 1965 casou-se com Judith. Um ano e meio depois, em 1967, vieram para o Brasil como missionários. Iniciaram um grande trabalho de orientação à juventude brasileira, fundando a missão “VENCEDORES POR CRISTO”. A cada período de férias eram formados diferentes grupos de jovens, de diversas igrejas evangélicas, que cantavam e testemunhavam de sua fé. Eles recebiam, ao mesmo tempo, treinamento musical e estudos bíblicos. Regressando a suas igrejas estavam, então, preparados para servir de forma mais eficaz. Jaime e Judith têm três filhas, Melinda, Marcia e Annie, dois netos e uma neta, James Paul, Skyler e Keyla Grace." (Fonte: file:///C:/Users/User/Downloads/Eu%20Amo%20Voc%C3%AA%20-%20Jaime%20Kemp.pdf)



O livro em questão contém 11 capítulos e são:




1. Era uma vez... 
2. Que sociedade...? Que harmonia...? Que união...? 
3. Namoro a três! 
4. Sexo...por que esperar até o casamento?  
3. O que os pais têm a ver com o meu namoro? 
6. Sexo do ponto de vista de Deus 
7. O que fazer com os impulsos sexuais? 
5. Amor ou paixão? 
9. "Lua-de-mel" ou "lua-de-fel" 
10. Masturbação: pecado ou não? 
11. Homossexualismo e Lesbianismo



No prefácio do livro,Guilherme Kerr Neto relata que o livro nasceu no Brasil embora seu escritor seja norte americano, em seguida ele diz    Mas, este livro foi mesmo iniciado quando  Deus principiou a escrever a história de um moço que, aos  dezoito anos, com padrões de conduta moral e namoro totalmente desvirtuados, foi alcançado pela misericórdia de  um Deus amoroso e pessoal. E esse Deus, com tão grande amor, foi transformando a  mente, o coração, as atitudes c os propósitos deste jovem aponto de fazê-lo "Embaixador de Cristo" a outros povos  (cargo mais honroso que alguém pode jamais aspirar). Fez  dele, um moço consagrado, um marido fiel, um pai amoroso e sensível. Por isso é fácil perceber que este livro começou no coração de Deus. Foi Ele quem chamou o Jaime. Foi Ele  quem o deu (pelo menos por um tempo) ao ministério no Brasil. Foi Ele quem transformou o Jaime e tem transformado tantos outros, através das palestras que hoje se transformam  neste livro, para seu proveito, amado leitor, e para a glória de 
Deus"


Minha oração é que através desse livro possamos nos aperfeiçoar na busca do querer e efetuar da vontade do Senhor. Em breve vamos ao primeiro capítulo do livro, até!"





quinta-feira, 17 de julho de 2014

DESCOBRINDO A SUA LINGUAGEM DO AMOR

Postei o texto abaixo no blog Menina, Mulher Cristã




Bom dia princesas, em um post anterior apresentei um livro (http://daniielarodrigues.blogspot.com.br/2014/06/cinco-formas-de-demonstrar-amor.html) que trata das cinco linguagens do amor, posteriormente, em outro post, apresentei uma situação real em que demonstrava duas das linguagens de amor (http://daniielarodrigues.blogspot.com.br/2014/07/linguagens-de-amor-exemplos-reais.html).
As cinco principais linguagens de amor são: palavras de afirmação, qualidade de tempo, presentes, serviços e toques físico.
Hoje, venho tratar de como descobrir a sua linguagem de amor, além de saber a sua é importante saber a linguagem de amor do seu conjuge, pois:

  [...] é essencial para você manter sempre cheio o ‘tanque do amor’ [do seu conjuge].” (Livro As cinco linguagens de amor)


Para descobrir a linguagem de amor  é importante pensar:

“O que faz com que você se sinta mais amado (a) por seu cônjuge? O que você mais deseja? Se a resposta a essas perguntas não surge imediatamente em sua cabeça, talvez o ajude a dar uma olhada na utilização negativa das lin­guagens do amor: O que seu cônjuge faz, ou diz, ou deixa de expressar ou realizar, que mais o (a) magoa? Se, por exemplo, o que mais o (a) aborrece forem críticas e julgamentos, então talvez sua linguagem do amor seja Palavras de Afirmação. Se a sua pri­meira linguagem do amor for usada de forma negativa por seu cônjuge, ou seja, se ele realizar exatamente o contrário daquilo que deveria fazer para encher seu ‘tanque do amor’, então aquela atitude machucá-lo-á mais do que a outra pes­soa, pois além de negligenciar o fato de falar sua primeira linguagem, utiliza-a como uma faca para feri-lo (la).” (Livro As cinco linguagens de amor)


“Outra forma de pensar na sua primeira linguagem de amor é pensar: O que eu mais solicitei de meu companheiro? Como demonstro amor? É importante considerar que amar é uma escolha O amor não apaga o passado, mas altera o futuro. Quando escolhemos expressar nosso amor de forma mais ativa, e utilizamos para isso a primeira linguagem de nosso cônjuge, criamos um clima emocional que pode curar as fe­ridas dos conflitos e fracassos de nosso passado.” (Livro As cinco linguagens de amor)


Apesar de todas as linguagens serem importantes, há aquelas que se não recebermos não nos magoa e não faz com que não nos sintamos amados, acredito que a nossa primeira linguagem de amor pode ser alterada com o tempo, ela não é fixa, por exemplo, houve um tempo em que “palavras de afirmação” tinha um peso maior para mim do que tem hoje, apesar de nunca ter sido a minha primeira linguagem de amor, essa linguagem não estava em último lugar como hoje.
Para refletir sobre qual seria a minha primeira linguagem de amor atual, eu refleti sobre quais situações que me fizeram sentir mais amada, independente do tipo de relação em que havia nessas situações e conclui que foram as situações em que havia a disposição do tempo, em que o meu próximo cedia um tempo para que pudêssemos estar compartilhando o mesmo momento, ou seja, a qualidade de tempo.
Você pode também enumerar a importância de cada linguagem, ou seja, a primeira, a segunda, a terceira, a quarta e aquela que não faria falta se não existisse. A primeira linguagem é aquela que constantemente deve ser recebida já a quinta linguagem não há necessidade de ser constante.
A partir da descoberta da sua linguagem, é importante descobrir a linguagem das pessoas ao seu redor que você ama, o livro destaca que:


“Suprir  a necessidade de amor de
minha esposa é uma escolha que
faço a cada dia. Se eu sei qual é sua
primeira linguagem do amor e
escolho utilizá-la, suas mais profundas
necessidades emocionais serão supridas
e ela se sentirá segura em meu amor.”
(Livro As cinco linguagens de amor)


Falar a linguagem do seu conjuge e encher o tanque de amor dele é uma escolha sua:

“Descobrimos a primeira linguagem do amor de nosso cônjuge e tomamos a decisão de aprender a falá-la, quer ela nos seja natural ou não. Não reivindicamos sentimentos ardentes e delirantes. Simples­mente, escolhemos fazê-lo para o bem daquele (a) a quem amamos.” (Livro As cinco linguagens de amor)

 “A decisão de amar seu cônjuge encerra um tremendo potencial. Aprender a primeira linguagem do amor dele transforma este potencial em realidade. O amor realmente “faz o mundo girar”. (Livro As cinco linguagens de amor)


Assim, para descobrir sua primeira linguagem de amor é importante observar-se a si mesmo, lembrar de situações, perceber a maneira que você reagiu e reage a cada linguagem demonstrada e qual te deixa mais feliz se realizada e mais triste quando não realizada por longo tempo. Princesas, meu desejo é que vocês aceitem o desafio de buscarem o interesse do seu próximo e assim busquem falarem na linguagem dele, amar é uma escolha e demonstrar esse amor é outra escolha que muitas vezes envolve renúncia, disposição e transformação.