Pesquisar neste blog

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Sou mulher e escolho ser eu: um desabafo

Certo dia tive um diálogo truncado desses que nos faz refletir por dias o porque daquele diálogo ter me afetado tanto, o diálogo iniciou-se quando mencionei que meus filhos poderiam ter os brinquedos que quisessem.  Quem estava comigo masculinamente respondeu que não, pois menino não poderia ter bonecas e nem menina carrinhos que não fosse aqueles rosa (da barbie ou da Polly) como se dissesse que há brinquedos para meninos e brinquedos para meninas.
As mulheres hoje, ocuparam espaços nunca antes ocupados e os homens passaram a dividir esses espaços com as mulheres, ao ponto de não haver uma divisão do que é de menino e do que é de menina. As mulheres aprendem a dirigir, fazem faculdade, especialização, mestrado, doutorado, compram sua própria moto, seu próprio carro, sua própria casa, viajam sozinhas, trabalham em vários empregos e assim vão desbravando o mundo. Os homens por sua vez já não as tem o tempo todo ao seu lado, a dividem com as suas rotinas lotadas e acabam tendo que aprender a cozinhar, limpar a casa e cuidar de filhos (quando elas escolhem os ter).

No meio disso tudo vejo alguns homens com identidade confundida, não sabem até onde vão, o que fazem ou o que não fazem, na hora de pagar a conta, eles não veem problemas em ter uma mulher independente ao seu lado que paga sua parte ou paga a conta inteira; na hora de lavar o carro ou a moto e abastecer eles também não veem esse problema, mas na hora de ser guiado por ela, na hora de pensar nos serviços domésticos, então jogam fora toda valorização da mulher independente... “Deixa que eu dirijo, você não sabe dirigir...somente eu sou bom nisso...você tem que aprender a cozinhar, você terá que cuidar da casa...” e etc. OU SE VALORIZA EM TODOS OS SENTIDOS A MULHER INDEPENDENTE OU NÃO SE VALORIZA!
Se fosse para eu escolher uma sociedade a viver com certeza não seria essa, é uma crise de identidade de ambos os lados. Eu sei o tipo de mulher que escolhi ser, mas a sociedade não sabe, meus pais e qualquer outros pais com certeza nunca entenderão e por mais que finjam que entendem eu sei que no fundo não admitem eu ter escolhido estudar ao invés de ficar em casa, eu ter escolhido trabalhar ao invés de ter filho, eu ter escolhido viajar para estudo ao invés de comemorar datas importantes, eu ter escolhido ficar a madrugada acordada para estudar, ao invés de dormir.
 Eu escolhi fazer pós, trabalhar, viajar, dirigir, pagar para comer uma comida caseira ao invés de fazer, eu escolhi me vestir e sair de casa para comer aquele doce que tenho vontade do que encarar o fogão e tentar fazer, eu escolhi não saber cozinhar e sonhar em ter  um escritório ao invés de uma cozinha.
Ao contrário do que a masculinidade afirma, eu não tenho o dom para a cozinha, sou tão descompassada como qualquer homem e quer saber? Eu não estou fazendo a mínima para aprender, em meio as pós da vida, minha preocupação está mais relacionada a aprender a nova gramática, a pesquisar de maneira rigorosa, a contribuir cientificamente com a sociedade, a cumprir os créditos da disciplina, a fechar meu projeto de pesquisa, a enviar trabalhos a eventos, a ter meu artigo aceito na revista renomada...
Eu não sou uma mulher desse tempo, sou moderna apesar de ser a moda antiga, apesar de carregar em mim valores cristãos e morais, há coisas em mim que não são antigas. Meus filhos brincarão com o que quiserem, se meu filho querer uma boneca ele vai ter (afinal, um dia ele poderá escolher ter filhos), se meu filho querer brinquedos que lembrem a cozinha ele vai ter (afinal, espero que se case e divida as tarefas domésticas com sua esposa), se minha filha querer carrinho ou moto de brinquedo ela vai ter (afinal, espero que tenha seu próprio meio de locomoção), se minha filha querer hominhos que lembram exército, policiais e etc ela vai ter (afinal, já existem mulheres trabalhando nessas profissões). Eu não estabelecerei limites aos meus filhos, a liberdade que eu tive de escolha (nesse sentido), eu a passarei para meus filhos.
E que a sociedade não tente tirar essa minha liberdade, dizendo que como mulher devo fazer isso, aprender aquilo, ficar em casa, lavar, passar, cozinhar, limpar e ainda para ser ideal poderei porventura trabalhar (desde que não atrapalhe os serviços domésticos) e entregar todo o meu dinheiro dentro de casa. Eu posso afirmar que escolhi ser mulher e nessa escolha eu escolhi ser eu e ignorar os preconceitos e as pré concepções estabelecidas por essa sociedade fora do meu tempo.




Meu pai: o homem da minha vida


Há textos que nos inspiram e quando o lemos buscamos algo que possibilite que compartilhemos o texto, mas como não encontramos temos a ideia brilhante de escrever nossos próprios textos. Hoje, o texto será para meu pai, pode ser que ele nunca leia e que também eu nunca queira mostrar a ele, mas o fato é que a necessidade não está na leitura, mas na escrita, o texto que nascerá não precisa ser lido, mas o que ele precisa é ser escrito.







Pai, três letras e um significado tão grande, não sei se começo pelo começo ou pelo fim rs. Meu nascimento trouxe uma palavra nova aos seus ouvidos, você que tem tantos nomes (Lê, José, Zé Lei, Zezinho...) de repente se viu com um novo nome que eu lhe dava: PAI. De todos os seus nomes, esse era dito especialmente e só por mim.
Lembra quando você chegava do trabalho e eu corria na janela da casa, em cima do sofá e gritava "Pai o que você trouxe para mim?" e você com uma mochila nas costas, em cima de uma bicicleta respondia "Um beijo e um abraço" e eu dizia "Ah, isso eu não quero" rs lembra quando esperávamos a mãe terminar o jantar e às vezes rodopiávamos no chão, virando e rodando deitados? Lembra quando eu espalhava todos os meus brinquedos e você vinha com o rodo me ajudando a guardar enquanto a mãe brigava desesperadamente?
Lembra quando você chegava todas as madrugadas, preparava minha mamadeira e colocava em uma cadeira de madeira ao lado do berço, porque toda madrugada eu esticava minha mão e bebia o leite misturado com achocolatado e açúcar? Lembra quando você me motivou a continuar aprendendo a andar de bicicleta mesmo depois do meu tombo e mesmo quando a mãe disse que isso não daria certo?
Era você que raramente tentava me bater e quando o fazia era com um jornal dobrado, que era justamente para não doer rs.Lembra quando você comprou aquela barbie grávida que eu tanto queria e era tão cara? E quando você a consertou as várias vezes que a quebrei de tanto brincar?  Ahh os consertos, "pai quebrei minha presilha, pai conserta minha blusa? Saiu o botão, pai concerta meu chinelo?...." Se algo quebrava eu não tinha com o que me preocupar, pois meu pai sempre concertava.
Foi você também que apoiou minha vontade de ter um coelho e construiu a casa dele, foi você também que me apoiou a comprar a sofia mesmo quando a mãe era meio contra rs....
E minhas flores? Sempre viraram suas, pois as entrego para você cuidar (tudo bem que você não cuida bem, porque tira a terra para plantar cebolinha rs). Foi você que me levou por nove anos na igreja, foi você que me esperava para ir em um churrasco porque tinha que me buscar na igreja antes. Mesmo não entrando, você me levava. Foi você pai, que comprou meus materiais escolares, todos do jeito que eu queria (e olha que cada ano era uma novidade) você que sempre olhava meu boletim e mesmo com os vários 10  e um 9 você dizia "Ahhh tem que melhorar", até que na faculdade em um semestre te mostrei que havia tirado tudo 10 então você respondeu "Parabéns". 
Foi você que me ensinou a ser forte e prática, você que sempre foi real comigo e se eu estava errada eu estava errada. Quando pequena sempre dizia que se tivesse que escolher com quem ficar eu escolheria você, confesso que nunca entendi muito bem o porque disso, hoje, pego-me pensando em tanto oculto entre nós que não sei, você me planejou enquanto ainda namorava com a mãe, o meu nome é fruto do seu sonho, talvez seja por isso que naquela tarde de domingo do ano passado em Prudente, a tia me confessou que quando eu era bebê eu somente dormia em cima do seu peito, quem presenciou disse que a cena era linda de se ver. 
Hoje, em meio a lágrimas escrevo esse texto, você meu pai tem mil defeitos, mas tem um trilhão de qualidades,ativo, forte, sábio, alegre, vencedor.. meu espelho, não sei se sou parecida com você ou se me tornei de tanto te admirar....





em meio a reticências, não finalizo este texto, mas afirmo que você é o homem da minha vida! 





A transformação das mulheres e os homens


A incrível geração de mulheres que foi criada para ser tudo o que um homem NÃO quer

RUTH MANUS
18 Junho 2014 | 11:15
 Às vezes me flagro imaginando um homem hipotético que descreva assim a mulher dos seus sonhos:“Ela tem que trabalhar e estudar muito, ter uma caixa de e-mails sempre lotada. Os pés devem ter calos e bolhas porque ela anda muito com sapatos de salto, pra lá e pra cá.Ela deve ser independente e fazer o que ela bem entende com o próprio salário: comprar uma bolsa cara, doar para um projeto social, fazer uma viagem sozinha pelo leste europeu. Precisa dirigir bem e entender de imposto de renda.Cozinhar? Não precisa! Tem um certo charme em errar até no arroz. Não precisa ser sarada, porque não dá tempo de fazer tudo o que ela faz e malhar.Mas acima de tudo: ela tem que ser segura de si e não querer depender de mim, nem de ninguém.”Pois é. Ainda não ouvi esse discurso de nenhum homem. Nem mesmo parte dele. Vai ver que é por isso que estou solteira aqui, na luta.O fato é que eu venho pensando nisso. Na incrível dissonância entre a criação que nós, meninas e jovens mulheres, recebemos e a expectativa da maioria dos meninos, jovens homens,  homens e velhos homens.O que nossos pais esperam de nós? O que nós esperamos de nós? E o que eles esperam de nós?Somos a geração que foi criada para ganhar o mundo. Incentivadas a estudar, trabalhar, viajar e, acima de tudo, construir a nossa independência. Os poucos bolos que fiz na vida nunca fizeram os olhos da minha mãe brilhar como as provas com notas 10. Os dias em que me arrumei de forma impecável para sair nunca estamparam no rosto do meu pai um sorriso orgulhoso como o que ele deu quando entrei no mestrado. Quando resolvi fazer um breve curso de noções de gastronomia meus pais acharam bacana. Mas quando resolvi fazer um breve curso de língua e civilização francesa na Sorbonne eles inflaram o peito como pombos.Não tivemos aula de corte e costura. Não aprendemos a rechear um lagarto. Não nos chamaram pra trocar fralda de um priminho. Não nos explicaram a diferença entre alvejante e água sanitária. Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.Mas nos ensinaram esportes. Nos fizeram aprender inglês. Aprender a dirigir. Aprender a construir um bom currículo. A trabalhar sem medo e a investir nosso dinheiro.  Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.Mas, escuta, alguém  lembrou de avisar os tais meninos que nós seríamos assim? Que nós disputaríamos as vagas de emprego com eles? Que nós iríamos querer jantar fora, ao invés de preparar o jantar? .... Que a gente não ia ter saco pra ficar dando muita satisfação? ....Aí, a gente, com nossa camisa social que amassou no fim do dia, nossa bolsa pesada, celular apitando os 26 novos e-mails, amigas nos esperando para jantar, carro sem lavar, 4 reuniões marcadas para amanhã, se pergunta “que raio de cara vai me querer?”.“Talvez se eu fosse mais delicada…  Não tivesse subordinados. Não dirigisse sozinha à noite sem medo. Talvez se eu aparentasse fragilidade. Talvez se dissesse que não me importo em lavar cuecas. Talvez…”Mas não. Essas não somos nós. Nós queremos um companheiro, lado a lado, de igual pra igual. Muitas de nós sonham com filhos. Mas não só com eles. Nós queremos fazer um risoto. Mas vamos querer morrer se ganharmos um liquidificador de aniversário. Nós queremos contar como foi nosso dia. Mas não vamos admitir que alguém questione nossa rotina.O fato é: quem foi educado para nos querer? Quem é seguro o bastante para amar uma mulher que voa? Quem está disposto a nos fazer querer pousar ao seu lado no fim do dia? Quem entende que deitar no seu peito é nossa forma de pedir colo? ... Que somos a geração da parceria e não da dependência?E não estou aqui, num discurso inflamado, culpando os homens. Não. A culpa não é exatamente deles. É da sociedade como um todo. Da criação equivocada. Da imagem que ainda é vendida da mulher. Dos pais que criam filhas para o mundo, mas querem noras que vivam em função da família.No fim das contas a gente não é nada do que o inconsciente coletivo espera de uma mulher. E o melhor: nem queremos ser. Que fique claro, nós não vamos andar para trás. Então vai ser essa mentalidade que vai ter que andar para frente. Nós já nos abrimos pra ganhar o mundo. Agora é o mundo tem que se virar pra ganhar a gente de volta. 


Fonte:>http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/a-incrivel-geracao-de-mulheres-que-foi-criada-para-ser-tudo-o-que-um-homem-nao-quer/

Medo do eu te amo?

Para não dizerem que copiei o dito pelo esse texto, já vou logo dizendo que foi hoje, a primeira vez que o li rs (os grifos são meus)





"Quem tem medo de “eu te amo”?

RUTH MANUS
28 Janeiro 2015 | 11:31


Há quem diga que falta amor no mundo. Há quem diga que “eu te amo” virou “bom dia”. Não sei. Há quem diga todo tipo de coisa.
Eu sou do time do “eu te amo” sincero, mas nunca econômico. Do time que fala quando dá vontade, quando bate na aorta, como diria Drummond. Talvez por isso nunca tenha entendido bem essa história de medo de “eu te amo”.
Medo de amar, sim, desse eu compartilho. Djavan já bem disse uma vez “não existe amor sem medo, boa noite”. Amar dá medo. Medo de se dar demais, de não ser um amor reflexo, de perder o rumo, de perder as rédeas.
Mas depois que a gente ama… Já tá feito. E o medo de extravasar o amor é que eu custo a entender. O medo de dar o amor de bandeja, de colocar em palavras o que já está mais do que evidente no brilho dos olhos e no suor das mãos.
Acredito que o problema tenha sido essa história que alguém inventou de que “eu te amo” precisa ter como resposta única e obrigatória, “eu também”. Aí complica mesmo. Não faz sentido a gente dizer uma coisa que sente, impondo que o outro sinta o mesmo ou que, ao menos, tenha vontade de declarar amor exatamente na mesma hora. Às vezes você vai estar pensando em amor e o outro em calabresa acebolada, é assim mesmo.
Por isso, a deliciosa resposta a um “eu te amo” pode ser só um sorriso. Um beijo demorado. Podem ser olhos marejados. Pode até ser um “que bom” suspirado e sentido de quem realmente está sentindo o quão prazeroso é ouvir tais palavras. Um “eu também” pode ser uma delícia sincera. Ou pode ser uma simples forma de acabar com o assunto sem maiores polêmicas.
Acho que ficamos mais serenos quando entendemos que dizer “eu te amo” é quase como uma vontade de chorar ou de fazer xixi. Os limites do corpo- ou da alma- não mais bastam para o que lá dentro reside. Os olhos, a bexiga e o peito não têm mais a capacidade de suportar tamanho contingente. Ele precisa sair, ganhar o mundo, seguir seu rumo. E então, sentimos aquele maravilhoso alívio.
“Eu te amo” pode ser um presente para quem ouve, mas é uma necessidade vital para quem diz. E talvez a gente precise parar de depender do presente de volta e começar a sentir que dizer “eu te amo” já é bom por si só. Desse jeito a vida fica mais fácil. E o medo começa a ir embora.
Aos 18 anos, na véspera da morte da minha melhor amiga, saí do seu quarto dizendo “te amo, preta, durma bem”. Foi a última vez em que a vi. E o desfecho só poderia ser melhor se ela não tivesse partido. Mas, se era hora de partir, que partisse levando meu amor. E assim foi.
Essa consciência de que os caminhos são muito volúveis e de que a linha da vida é muito tênue talvez seja um dos maiores incentivos para eliminarmos o péssimo hábito de guardar sentimentos só para nós ou de achar que aqueles que amamos sempre “já sabem”.
E tudo isso só reforça a certeza de que o medo que devemos ter de “eu te amo” não tem a ver com orgulho, auto-preservação ou jogos. Aliás, acho que nada disso tem a ver com amor. O medo que devemos ter de “eu te amo” é apenas um: o medo de não dizer e de um dia ser tarde demais.

Fonte:http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/quem-tem-medo-de-eu-te-amo/"


O que fazer com os impulsos sexuais?: capítulo 7 do eu amo você


Olá princesas, hoje, continuo a relatar sobre o livro Eu amo você, no sétimo capítulo desse livro o autor inicia com um versículo Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel, e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, justamente com a tentação, vos provera livramento, de sorte que a possais suportar," (I Coríntios 10.13). 
Ele continua relatando que "O impulso sexual é um
instinto, uma resposta automática às circunstâncias ou situações estimulantes.... Se nós deixamos estes instintos poderosos dominarem a nossa vida, nos tornamos escravos deles. E, uma vez que os nossos impulsos sexuais ganharam o controle dos nossos sentimentos e conduta, dificilmente irão nos abandonar.".
O autor relata que o impulso sexual não é bom e nem mal, mas dependerá de como lidaremos com esse impulso, em seguida, o autor dá algumas sugestões práticas para controlarmos os  impulsos sexuais:


"1) Tenha certeza que Jesus Cristo é o seu Salvador e Senhor pessoal.

  
2) Reconheça o conflito que há em você.  (A carne milita contra o Espírito, e o Espírito contra a carne)


3) Você deve reconhecer que a batalha começa com o controle da mente.


4) Cuidado com as suas amizades.


5 ) Não se coloque em situações onde você poderá desenvolver pensamentos, atitudes e ações que não agradem ao Senhor.


6) Confesse os seus pecados.

7) Evite racionalização ou justificativas

8) Lembre-se das providências divinas (Deus providenciou um meio físico de alívio deste impulso através de emissões seminais noturnas.... [além disso] Uma segunda área relacionada às providências divinas se aplica a moças e rapazes e é chamada de "sublimação" ou processo de despender e queimar energia sexual através de exercícios físicos e mentais, atividades e projetos diversos. Sublimação é a defesa mental que deve ser usada para transformar um tipo de procedimento inaceitável em um comportamento aceitável. Desde que o instinto sexual é essencialmente físico, embora existam implicações emocionais, também, uma das melhores maneiras de reduzir a pressão é transformá-lo numa atividade física. Pode ser um passeio, jogar futebol ou vôlei, ou um projeto que envolva criatividade. Desta maneira, você estará soltando a válvula da panela de pressão).


9) Medite na Palavra de Deus.


10) Lembre-se da promessa de Deus: "E eis que estou convosco".

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Frases do livro Alice no país das maravilhas



Ontem acordei com uma vontade de ler Alice no país das maravilhas de Lewis Carroll, foi como se nesse livro houvesse respostas para algo que eu nem sabia como perguntar. Carroll foi escritor de fábulas, poesias, contos, romances, foi também desenhista, fotógrafo, matemático e reverendo anglicano.
O livro retrata a história de Alice, uma pequenina esperta e curiosa que ao correr atrás de um coelho acaba encontrando o país das maravilhas, inicialmente, Alice cai em um buraco para só então conhecer as maravilhas do país. Para isso, indaga a todos que encontra e passa tempo com eles e os conhece melhor, ao final, Alice acorda e sente-se maravilhada pelo sonho tão bom que teve.
Lendo essa história me pareceu uma alegoria com a vida cristã, seguimos a Cristo e então encontramos o país das maravilhas que não é eterno, até que possamos viver a eternidade e olhar para tudo isso como se não tivesse sido real.
Alegorias a parte, destaquei algumas frases do livro que gostaria de compartilhar:














[Alice] Nada conseguiu e desesperada sentou-se no chão e chorou.
De repente disse para si mesma: "Bôba! De que vale chorar?" Alice era uma menina inteligente e prática, das tais que costumam dar bons conselhos a si mesmas. Ás vezes chegava a ponto de repreender-se com tanta severidade que se punha a chorar.










Alice e o Grifo sentaram-se, e durante vários minutos ficaram sem ouvir coisa nenhuma, porque a Tartaruga nada dizia.
-Se não começa nunca, como há de acabar? pensou Alice.




-Pensando de novo? observou a Duquesa.
-Penso porque quero. Creio que tenho o direito de pensar, respondeu a menina já meio aborrecida.
-Você tem o direito de pensar como os porcos têm o direito de voar.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Gramática do amor

Um caminho?



"Por favor, pode me dizer que caminho devo tomar para sair daqui?
perguntou Alice.  Isso depende muito de onde você quer ir - respondeu o gato. "


Lewis Caroll



Chegou a hora de ler Alice no país das maravilhas!



segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Sobre a falta de tempo

Reviro meus e-mails e encontro um texto perdido


Amargo setembro

Há aqueles dias em que as palavras insistem em sair para serem escritas, há aqueles dias...hoje é esse dia!
Partindo do princípio de que a gente só escreve quando tem algo a dizer, talvez eu tenha, na verdade o que eu tenho é o sentimento de querer escrever! Meus pensamentos divagam, minhas ideias saltam e teimam em ser fixas.
Penso no tempo!
Ele me sufoca, como suportá-lo? Como passarei por esse mês e ainda assim sobreviverei? Serão tantas as coisas, trabalho, evento,  TCC, desavenças, tolerância, falta de paz, nota. Sinceramente, eu nunca passei por um mês assim, e como fico nesse tempo? Como?
Anulo-me, esqueço-me..
Do que eu gosto mesmo? Eu gosto de música? Há quanto tempo que não as ouço?
 Gosto de silêncio, observar a natureza, fechar a porta do quarto ouvir em silêncio algumas músicas...Gosto de ler, ler por prazer sem a intenção de ter que aprender...
Gosto de filmes legendados de debates bem embasados...
Gosto de contar histórias, gosto de fechar os olhos, sonhar, imaginar, passar horas nas livrarias...
Gosto de observar, gosto de conhecer...
Gosto de me conhecer...gosto de tanto....gosto de rir...gosto de ouvir histórias...
Disseram-se que o setembro, era o mês doce...doce setembro...mês das flores...mas para mim em 2012 setembro é o mês da anulação, anulo-me para poder permanecer como registro para sempre....ou em outras palavras para deixar registrado um trabalho que simboliza a minha conclusão de curso.
Anulo-me, anulo-m, anulo-, anulo, anul, anu, an, a...






setembro de 2012

domingo, 25 de janeiro de 2015

Case com um homem que...


Haverá um dia em que o casamento estará batendo a sua porta e a sua opção será abrir ou trancar a porta de vez...Caso decida abrir e se casar....


 Case com um homem que Deus se agrade, que acima de tudo ame a Deus sobre todas as coisas e conheça a bíblia ao ponto de te ensinar coisas novas e te mostrar uma nova visão que você não havia tido, ele saberá da missão dele perante a bíblia e tentará te amar como Cristo amou a igreja dando a vida por ela e esperará para te "conhecer". Esse homem te chamará para orar e antes de qualquer decisão ele perguntará a Deus, você não precisará insistir para ele ir à igreja  e nem tampouco precisará lembrar constantemente qual o dom que ele tem, o homem que você se casará não se esquecerá de como pode cooperar com Cristo e fará isso usando o dom dele, mesmo que seja difícil e mesmo que lhe cause dores, agradar a Deus será central na vida dele.
Case com um homem que te peça em casamento de uma maneira única e linda, ele será homem e terá deixado de ser moleque há tempos, ele pode até ter brincadeiras momentâneas e te fazer rir por um tempo, mas ele sabe o momento de falar sério e resolver assuntos importantes. 
Case com um homem que após você magoá-lo, ele  ainda diz que te ama e te ama mesmo, um homem que não tem orgulhos e não vê problemas em ajoelhar e pedir perdão quando te magoa, esse homem vai querer resolver qualquer mal entendido da relação o mais rápido possível...
Case com um homem que te dê confiança ao ponto de você deixar tudo o que tem em suas mãos, não importa se ele vai ganhar mais ou menos do que você, mas ele saberá como administrar e te deixará tranquila quanto a isso, ele não se preocupará em trocar de carros e motos todo ano, mas e preocupará em estabilizar a vida de vocês.
Case-se com um homem que te ame, ele não precisa repetir isso todos os dias, mas ele saberá o dia certo e o momento exato de te lembrar, ele perceberá quando você cortar dois dedos do seu cabelo, ou passar rímel, ou qualquer outro detalhe novo em você.
Case com um homem que lê, ele comprará livros, lerá e te deixará com tempo para ler os seus, esse homem te dará livros de presentes, ele também lerá livros de poemas e por vezes se arriscará a te escrever alguns e a fazer-te surpresas com pitadas de romantismo. O homem que lê também será o homem que pensa e te surpreenderá quando decidir ler você e os seus olhos e assim te interpretará como ninguém mais conseguiu. 
Case com um homem que seja raro e que faça coisas que você não viu ser feito por nenhum outro, esse homem não tem vergonha de ser quem é, ou de te mostrar quem foi, ele é sincero, transparente e não te esconde nada do que realmente seja importante. Ele irá querer que você participe de todos os rumos importantes da vida dele.
Case com um homem que sinta saudades de você e que quando você chega de viagem te abraça tão forte e demora no abraço como quem diz que não quer que você viaje nunca mais, esse homem te levantará ás vezes com o abraço e você se acostumará com isso e até será uma alegoria para te mostrar que na vida ele também te levantará quando você estiver pra baixo.
Case com um homem que converse por horas e horas com você e mesmo com sono não se cansa de te ouvir e te ouve prestando atenção em cada palavra e por momentos durante a conversa você o achará lindo e  o admirará e  sentirá tranquila em pensar que um dia ele será pai dos seus filhos.

Apesar de tudo isso, pode até ser que você sentirá medo antes de casar, que você pensará mil vezes se isso deverá realmente ser feito, mas ao receber o olhar e o abraço desse homem, você terá certeza de que valerá todo o risco do SIM.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A glória de Deus


Há canções que dizem o que não sabíamos expressar. Quando nos encontramos com a glória de Deus não conseguimos viver longe dessa glória e em qualquer lugar clamamos por ela. A canção abaixo relata isso, é como se houvesse uma sede, uma pressa para ter-se novamente a glória de Deus.


O Que Tua Glória Fez 


Comigo


Voz de Muitas Águas

Eu me rasgo por inteiro
Faço tudo, mas vem novamente
Eu mergulho na mirra ardente
Mas peço que Tua presença aumente
E se eu passar pelo fogo não temerei
Na tua fumaça de glória eu entrarei
Longe do Santo dos Santos não sei mais viver

Quem já pisou no Santo dos Santos
Em outro lugar não sabe viver
E onde estiver clama pela glória
A glória de Deus

Once you have entered in Holy of Holies
You can not dwell in an another place
Wherever you are, you cry for the glory
The light of His face!


quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Meu coração te pertence: uma canção


Sabe aqueles dias que uma canção te escolhe? Hoje, foi assim, ouvi uma linda canção e com um vídeo lindo com uma decoração doce e simples...a canção relata uma verdade que não devemos esquecer, nosso coração deve sempre pertencer ao nosso Deus!


Meu Coração Te  Pertence



No mais profundo mar

Nos mais altos céus
E mesmo se medo chegar
Tu estás comigo
Nunca esteve longe de mim
Sabe quando nos sentimos que estamos caídos? Ou quando nos sentimentos totalmente satisfeitos? Seja no mar, seja no céu, no alto ou no baixo o Senhor está conosco

O meu coração te pertence
O nosso coração deve pertencer somente ao SENHOR!

Pois tudo o que eu sou

o que quero ser
o que eu planejo ser
Pertence a Ti
e só a Ti Deus
O Senhor tem me ensinado a abrir mão do meu querer e dizer "Isso é o que eu quero Senhor, mas eu abro mão se não for a sua vontade, acima do meu querer está o Senhor." Não há problemas em fazer planos, o problema é não entregar tudo isso ao Senhor! Que essa canção possa ser uma oração de entrega dos nossos planos, que possamos declarar com o nosso coração que tudo que planejamos pertence ao Senhor. A ele é nossa vida, tudo é por ele e para ele...













Fotografia: céu e moradia



Há céus que nos inspiram, há moradias que nos encantam apesar da marca do tempo em sua construção, apresento um desse céu e uma dessa moradia!











quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Plano





Deus tem me ensinado a deixar meus planos frouxos fechar os olhos e dizer que a minha vontade não importa se não for a vontade de Deus! 
Deus me ensinou que a vontade dele deve prevalecer sobre a minha,fechar os olhos é uma das forma de dizer: "guia-me para a tua vontade"!

sábado, 17 de janeiro de 2015

Dom

Na minha prática dom para mim é aquilo que te deixa iluminada e animada quando você se aproxima! Não é por acaso que em inglês dom é "gift" (presente), aquilo que nos alegra, nos motiva nos faz bem receber e ter. Não importa o que os outros pensem eles nunca entenderão que isso realmente te move e te atrai, "Kibon" que não há mandamentos bíblico dizendo que tenho que ser entendida por eles!
Se não há mal e se te faz bem, FAÇA! Quanto aos outros, eles continuam sendo os outros....




Formas de amar: aprendendo com crianças: 40



Ao ir embora passo no estacionamento e aceno dando tchau a uma família, todos me respondem e o pequeno de três anos diz:

-Tchau bonitinha!

O pai responde:

-Que isso C.?

E então a criança responde

-Ué pai, ela é bonita...






Correr de si


Difícil mesmo é querer correr de si mesma e perceber que não há possibilidades nisso!




Mais difícil ainda é conviver com esse fato e descobrir o que e como fazer fazer para suprir a vontade de correr de si!




















quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

O que é ser forte?




Em meio a um jardim sem cores, 
meu mundo desabou 
e quando todas as circunstâncias dizia que não
 a minha fé estava em  Deus...
Hoje? Esse jardim pintou com flores a falta de cores!

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Uma imagem bela



Há imagens que nos faz querer guardá-las e faz com que nos reconheçamos nelas.


Há imagens que falam...

Que os dizeres ditos após essa imagem 
Sejam doce  como o doce mais suave que já provei
Sejam leve  como a luz que adentra esse cômodo
Sejam simples como as madeiras que abrigam as plantas na parede
Sejam delicado como a rosa no vaso central
Sejam para recordar como a fotografia na mesa
Sejam resistente como a madeira presente
Sejam belo como a união de tudo isso nessa imagem!



A casa e o templo



"Acaso é tempo de vocês morarem em casas de fino acabamento, enquanto a minha casa continua destruída?" (Ageu 1:4)

Olá queridos, hoje, escrevo um daqueles textos em que não sei direito o caminho que percorrerá, mas acabo descobrindo-o no final rs, assim, inicio a partir daquilo que mais destacou-se para mim. O livro de base é Ageu, com dois capítulos nos mostra o povo sendo chamado para reconstruir o templo que havia sido destruído.


No capítulo 1, versículo 3 desse livro, o povo dizia: "Ainda não chegou o tempo de reconstruir a casa do Senhor.", entretanto, apesar do povo afirmar isso o Senhor através do profeta Ageu afirma o contrário: “Acaso é tempo de vocês morarem em casas de fino acabamento, enquanto a minha casa continua destruída?” (Ageu 1:4). O Senhor continua dizendo: “Vocês têm plantado muito e colhido pouco.” (Ageu 1:6)  e fala que eles esperavam muito e receberam pouco porque cada um se ocupava com a sua casa enquanto o templo continuava destruído.


Nos versículos acima, fica claro que o povo não sabia da vontade do Senhor e acreditava erroneamente que ainda não havia chegado o tempo de trabalharem para o Senhor, além disso, podemos aprender que o Senhor diz para o povo que é mais importante reconstruir o seu templo, para depois preocuparem-se com o local em que vão morar. 


Após isso, é solicitado que eles subam ao monte para trazerem madeira e “Construam o templo para que eu me alegre e nele seja glorificado [...]” (Ageu 2:7). O Senhor encoraja o povo dizendo que estava com eles e “A glória deste novo templo será maior que a do antigo [...]” (Ageu 2:9), e assim eles começam a trabalhar no templo. (Ageu 1:14). 

Portanto, o Senhor mostra onde o povo está agindo erroneamente, mostra as consequências dos seus erros, explicita a sua vontade, o motivo de sua vontade (para ele ser glorificado) e como iniciar a realização da vontade do nosso Deus, ou seja, o Senhor guia o povo (subam ao monte). Dessa forma, para iniciar o trabalho que alegraria ao Senhor, o povo deveria subir ao monte, trazer madeira e iniciar a construção, percebe que antes de qualquer trabalho o povo precisava acreditar que estava equivocado, que era tempo de se preocupar com o templo e que era tempo de construção, de trabalho para o Senhor.

Esse trecho me leva a pensar que antes de construirmos qualquer coisa devemos estar atento a voz do Senhor e subirmos ao monte, ou seja, nos voltarmos a Deus. Além disso, o Senhor me fez pensar em que eu tenho me preocupado, com a minha própria casa? Ou com a reconstrução do templo destruído? Nós somos templo do espírito de Deus, nosso templo está construído? É necessário reconstruí-lo? O Senhor nos encoraja para o trabalho de reconstrução, seja espiritual, seja a reconstrução física.


Reconstruamos o que outrora foi destruído, antes de nos preocuparmos com a nossa casa é necessário nos preocuparmos com o templo do Senhor. 







quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Providência divina


Vemos a providência de Deus nas pequenas coisas....

-Um hotel que faz um preço promocional;
-Uma chuva que somente cai à noite e no único dia que cai a tarde uma moça surge e lhe oferece carona;
-Um clima favorável;
-Uma aula que não tem justo no dia que você não poderia ir...
-Uma paz em meio ao desconhecido....

Palavras engravatadas


Colocou uma gravata
 e engravatou as palavras para falar com o seu Deus.
Palavras engravatadas 
dão um nó em qualquer relacionamento.